Colégio Friburgo

You are currently browsing articles tagged Colégio Friburgo.

Extração de DNANo filme Jurassic Park, produção de enorme sucesso em 1993, um grupo de cientistas reconstruía dinossauros a partir do DNA de um mosquito conservado em cristal de âmbar. Apesar dos pesquisadores da vida real considerarem tal coisa impossível, visto que o material genético é incapaz de sobreviver em adversidades tão grandes, alunos do 2º  e do 3º anos do Ensino Médio do Friburgo passaram por uma experiência igualmente inusitada na quarta-feira, 28 de maio.

 Educador da Exposição Genoma e alunos do 3º EMOs estudantes foram à exposição Revolução Genômica, no Parque do Ibirapuera. Ali, além de aprender a extrair o DNA de um morango, eles realizaram a experiência na prática, observando os filamentos do código genético da fruta a olho nu. Depois, ainda puderam visitar a Trilha da Vida, com animais vivos e empalhados, conhecer diferentes modelos de DNA, aprender os mais modernos conceitos na área e participar de discussões éticas sobre seqüenciamento de genoma e melhoramento genético de plantas.

“A exposição realmente é muito boa. Além de contar com instalações e painéis, ainda é bastante interativa. Agora, o que Alunos na Exposição valeu mesmo foi ver que nossos alunos dominavam todos os conceitos na ponta da língua e estavam preparados para assistir e participar de todas as atividades”, elogia a professora Vera Barreto, Coordenadora do Ensino Médio e acompanhante do grupo.

Entre os alunos, as opiniões se dividiram, mas todos gostaram de algo da exposição. O estudante Patrick Rapp Schafer, 18 anos, do 3º ano, achou muito interessante os exemplos de mutações. “Simularam o que aconteceria a uma mosca se o DNA dela fosse alterado. Foi demais, cada vez que trocávamos uma proteína, as alterações mais escabrosas eram mostradas em uma tela digital”, diz ele.

Sua colega, Marília Guedes Silveira, 17, preferiu a experiência de extração do DNA do morango. “Foi um momento que envolveu a todos nós”, conta. Apesar disso, os alunos acharam que faltou tempo para aproveitar melhor a visita. “É uma exposição muito grande e detalhada. E o tempo que tivemos – 1H30 – foi muito pouco para aproveitarmos. Sem falar que havia muitos monitores que não nos deixavam à vontade para ficar mais tempo em uma instalação ou fazer perguntas”, reclama Patrick.

A aluna Amanda Fechter, 16, do 2º ano, achou a exposição “o máximo”. Segundo ela, valeu à pena participar e conhecer com mais facilidade a formação do DNA. “Mas não gostei do morango. Criaram muita expectativa para pouco. Gostei mais da interação, do dinamismo e da criatividade das instalações. Sinceramente, não esperava que fosse tão legal, com tanta tecnologia”.Percurso da exposição

A exposição Revolução Genômica acontece até o dia 13 de julho no Pavilhão Armando de Arruda Pereira, bem em frente ao Planetário, no Parque do Ibirapuera. De terça a sexta, das 9 às 20 horas, e sábados, domingos e feriados, das 10 às 20 horas. Os ingressos custam R$ 15, estudantes pagam meia e, para menores de sete anos e maiores de 60, a entrada é gratuita. Grupos podem agendar visitas. Mais informações no site www.revolucaogenomica.com.br .

Professor WagnerPara os alunos de 7º ano do Ensino Fundamental do Colégio Friburgo, estudar História e o Renascimento durante a Idade Média virou literalmente um jogo. Para fixar conteúdos importantes da disciplina, como o reflorescimento das cidades, diversos grupos sociais, as atividades econômicas e ofícios da época, os estudantes criaram jogos de trilha, com tabuleiros, dados, roletas, cartas, cartões de sorte ou azar e muita, muita criatividade.

Os grupos de quatro ou cinco componentes – sorteados para evitar a formação de “panelinhas” – puderam escolher entre diversos temas como “De aprendiz a mestre em uma corporação de ofício”, “Viagem de um mercador veneziano de Constantinopla a Alexandria”, “A rota da primeira Cruzada contra os muçulmanos”, “A viagem de um carregamento de seda da China até a feira de Champagne”, “A fuga de um servo para uma cidade”, “Do nascimento de uma cidade à sua autonomia” e “Um comerciante de Bruges percorre a Europa para negociar seus tecidos”.

“Alguns grupos empenharam-se para valer e fizeram trabalhos muito interessantes. Criaram perguntas históricas sobre o conteúdo e somente respondendo corretamente o jogador pode avançar. Além do aprendizado histórico, eles tiveram experiência no planejamento, solução de problemas, divisão de tarefas e relacionamento entre os componentes”, explica o professor Wagner Ribeiro Soares, de História.

Enquanto alguns grupos imitaram jogos já existentes, outros adaptaram suas criações a partir do Banco Imobiliário e do Alunos do 7º anoJogo da Vida. Foi este último justamente o modelo usado pelos alunos Miguel Nahas, 11 anos, Catherine Machado, 12, Júlia Abreu, 12, Silvio Novaes Santini, 12, e Daniel Ramadan, 12, todos do 7º ano B, para criar o jogo “Meste Bondoso”.

Usando materiais simples como cartolina, papel cartão, brinquedinhos de Kinder Ovo, gliter, bisqüi e parafusos, em três semanas eles produziram o jogo para cinco participantes, cujo alvo é fazer com que o aprendiz se torne mestre. “Foi muito legal. Além de conhecermos melhor a vida naqueles tempos, percebemos a dureza daquela sociedade”, diz Miguel.

Mas o jogo, ou melhor, o trabalho ainda não acabou. A próxima etapa será realizada no município de Cabreúva. Lá a idéia é que os grupos estudem as várias etapas do surgimento da cidade e possam comparar com aquilo que aprenderam no trabalho. “Ainda estou fechando a proposta com os professores Leandro, de Geografia, e Silvana, de Português. Mas quando formos para lá, queremos doar os jogos para escolas públicas ou para a biblioteca municipal do município”, conclui o professor Wagner.

Turma na Estação Natureza
As turmas do 1º ano do Ensino Médio viajaram para a Serra do Japi e Cabreúva com o objetivo de iniciar um processo de pesquisa para o projeto de HP2 (Habilidades e Potencialidades). As áreas foram escolhidas como laboratório para que os alunos desenvolvam projetos de intervenção na área, criação e desenvolvimento de material didático e, futuramente, ainda em processo de análise e estudo, um novo projeto envolvendo a comunidade local.

Os temas escolhidos para o projeto foram Fauna, Flora, Relevo/Hidrografia e Legislação Ambiental para a área do Japi e para a cidade de Cabreúva: População, Economia, História e Urbanismo. Os alunos poderão se aprofundar em cada um dos oito assuntos escolhidos e trabalhar as suas competências de criar, desenvolver e gestar um projeto, além de desenvolver um projeto de pesquisa de qualidade.

Na primeira saída, o maior objetivo foi fazer um reconhecimento do local, com atividades específicas. Os alunos percorreram algumas trilhas, e até escolheram nomes para batizá-las. Depois confeccionaram as placas de identificação e também fizeram a inauguração de um livro de visitas – onde, a partir de agora, todos que passarem pela Estação Natureza poderão deixar registrada a sua impressão.

Alunos observam o rio Tietê Já na segunda viagem o foco foi a cidade de Cabreúva. Saíram de São Paulo e percorreram o roteiro dos Bandeirantes, passando por Pirapora do Bom Jesus e Santana de Parnaíba, antes de chegar ao destino. Passaram por estas cidades analisando a situação ambiental do rio Tietê e também fazendo um levantamento do perfil da população. Os alunos entrevistaram diversos moradores e coletaram dados sobre a população, a exploração, economia e história para o desenvolvimento dos projetos relacionados à área urbana.

Um dos ciclos econômicos de Cabreúva foi o da cana-de-açúcar, já que a região tem clima, solo e abundância de água que favorecem a produção. Por isso, os alunos também foram visitar um alambique que até hoje produz aguardente artesanal.

Com todos os dados, agora é pensar no projeto. Aguardem as novidades!

Clique aqui e veja as fotos das visitas.

Chegada dos alunos ao Museu do índioPara complementar o extenso trabalho sobre os índios das aldeias do Alto Xingu, os alunos do 3º ano do Fundamental foram visitar, neste início de junho, o Museu do Índio - Centro de Informação da Cultura Indígena, localizado em Embu das Artes.

Chegando lá a turma foi recepcionada pelo responsável pela montagem do museu, o artista plástico Walde-Mar de Andrade e Silva, que também é o escritor do livro Lendas e Mitos dos Índios Brasileiros – utilizado pelos alunos durante o estudo indígena.

Walde-Mar contou aos pequenos pesquisadores sobre sua história com os índios. Os alunos estavam super preparados para a entrevista, com blocos de anotações e até mesmo gravadores para não perder nenhum detalhe deste importante encontro. O artista plástico se especializou na arte indígena e depois de conhecer os irmãos Villas Boas, foi viver entre os índios no Parque Nacional do Xingu.

E preparados para obter maiores mais informações para o produto final deste projeto, que vem sendo desenvolvido desde o início do ano, os Apresentação do índio da tribo Meninakoalunos ficaram sabendo um pouco mais sobre os grupos étnicos, seus costumes, crenças, rituais, hábitos alimentares, a vida da comunidade indígena e sua relação com o meio ambiente.

Encontraram um índio da tribo Meninako, também do Alto Xingu, que ensinou as marcações das danças, tocou flauta e contou histórias para as crianças. Foi uma manhã muito interessante e produtiva.

CLIQUE AQUI para ver algumas fotos e AQUI para ler as curiosidades escritas pelos alunos.

Bandeirinhas inspiradas em VolpiOs preparativos no colégio estão a todo vapor! Nas aulas de Artes o tema agora é festa junina. Todos os alunos estão contribuindo com maravilhosos adereços para a festa.

Bandeirinhas, inspiradas nas obras de Volpi, de todos os tipos e de todas as cores, feitas por alunos 2º ano do Ensino Fundamental, estarão espalhadas pela escola no dia da festa.Bonecos de papelão em tamanhoreal

Meninas e meninos de papelão, em tamanho real, foram recortados e pintados pela turma de Artes do Fundamental I, do Período Ampliado, para decorar o palco. Eles também ficaram responsáveis pela pintura das barracas. Já os alunos do Fundamental II fizeram um bonito trabalho de xilogravura, utilizando bandejas de isopor como matriz.

Pintura de BarracasAs turmas do 5º ano estão reproduzindo em painéis os desenhos que estão estampados em convites e cartões da Festa Junina.

O resultado poderá ser conferido no dia 21 de junho, a partir das 15 horas, na Festa Junina do Friburgo.

Clique aqui e veja, em primeira mão, alguns trabalhos que serão utilizados na decoração.

alunos do 5º ano visitam Museu da EnergiaOs alunos do 5º ano visitaram o Museu da Energia, na cidade de Jundiaí, no dia 29 de maio, para complementar o estudo de Ciências. Fontes de energia e suas transformações, energias alternativas, eletrostática e consumo consciente. Esses e outros temas fizeram parte da experiência vivenciada neste dia.

Ambientes que simulam uma casa e seus eletrodomésticos fazem parte da oficina “Uso Racional da Energia – Aprender Brincando”, onde os alunos conseguem definir a quantidade de energia consumida por cada aparelho, além de descobrir os valores que este consumo representa na conta de luz. Depois, por meio de um jogo interativo, eles tiveram a oportunidade de experimentar diversas tarefas domésticas utilizando o menor gasto de energia.Visita ao Museu da Energia

Toda a parte histórica também foi abordada através da leitura de cartazes antigos e até mesmo com a observação de um caminhão que prestava serviço à companhia elétrica, original de 1928. Isto sem contar nas explicações obtidas sobre os cuidados com a rede elétrica, segurança e trabalho realizado pelas companhias.

Vale a pena conferir as fotos. Clique aqui.

Coral Friburgo
Música para celebrar a vida e a Natureza

Uma autêntica sinfonia verde foi organizada para celebrar neste ano o Dia Mundial do Meio Ambiente. A professora Glaucia Machado organizou o Coral do Friburgo para uma inesquecível apresentação no Atrium do Shopping Jardim Sul, no dia 6 de junho. O evento, assistido por centenas de pais e convidados, teve como objetivo também despertar a sociedade para a importância de preservação da Natureza.Público aprecia apresentação!

O repertório do Coral foi escolhido com muita criatividade e um toque bem brasileiro. O da Casinha Pequenina, que reúne crianças de até seis anos, apresentou algumas poesias de Cecília Meireles, musicadas pela professora Gláucia. Os alunos mais velhos, do Coral do Friburgo, cantaram Estórias da Floresta (de Milton Nascimento) e Nozaniná (uma antiga canção tupi-guarani obtida por Roquete Pinto). Outros três poemas de Cecília Meireles também receberam os arranjos da professora e foram apresentados por todas as crianças: Mistério do Sem Fim, Leilão de Jardim e Colar de Carolina.

Instrumentos com tubos de PVC.“O objetivo não é apenas fazer bonito e comemorar a data, mas sim mostrar que nessa luta cada pessoa tem sua responsabilidade e pode fazer a diferença com pequenas atitudes a cada dia, já que reciclar não é tudo”, explica a professora Gláucia, que dá aulas de música e canto nas duas escolas. Para tanto, uma série diferenciada de instrumentos musicais foi escolhida para acompanhar os corais. Além do tradicional violão, utilizamos instrumentos antigos como a medieval ocarina e típicos, como o africano bongô. Já outros foram mais caseiros, como os tudo de PVC e até um chocalho, feito com tampas de garrafas pet e amarrados com barbante.

No final, além dos aplausos, fica a mensagem de que a arte humana está intimamente ligada ao meio ambiente, e os alunos demonstraram que é desde cedo que se começa a plantar um futuro verde!

Clique aqui e veja a galeria de fotos!

Friburgo e Gotas de FlorA história se repete. Mas dessa vez, o objetivo é fazer o final feliz. Inspirados pela leitura do clássico Capitães da Areia, de Jorge Amado, 42 alunos de 8º ano do Friburgo foram à ONG Gotas de Flor com Amor na quarta-feira, 4 de junho de 2008, para participar de uma manhã de atividades com as crianças atendidas pela instituição e levar doações arrecadadas na escola e junto aos pais.

Ali, encontraram uma realidade muito próxima daquela narrada na obra, que mostra o cotidiano de aventuras e luta pela sobrevivência de menores abandonados, os verdadeiros “capitães da areia” nas ruas da Salvador dos anos 30. A Gotas de Flor com Amor atende todos os meses cerca de 500 crianças vindas de famílias desestruturadas e que vivem em situação de risco.

Professora Paula Trindade“Os alunos tiveram contato com o livro nos projetos de leitura que desenvolvemos e ficaram sensibilizados. Por isso, decidiram passar em sala de aula, mandar cartas e fazer uma campanha para arrecadar doações”, explica a professora de Português, Paula Trindade, coordenadora do trabalho. “Eles escolheram a Gotas por se tratar de uma instituição com a qual trabalhamos há anos com outros projetos sociais e devido às reais necessidades daquelas crianças”, completa Iracy Garcia Rossi, Diretora de Assuntos Comunitários do Friburgo. Além delas, monitoraram o grupo o professor Bruno Stefani e a bibliotecária Daniela Momozaki.

No ônibus que os conduziu à instituição, os alunos do Friburgo tinham um só objetivo em mente: dar uma chance às crianças, para que o destino delas não seja o mesmo de Volta Seca, Pedro Bala e companhia, personagens de Jorge Amado. Por isso, quando chegaram lá, mais que doar materiais de higiene pessoal, alimentos, produtos de limpeza e livros, deixaram amor e carinho.

Integração Frfiburgo e Gotas de AmorIsso ficou bem nítido, do lanche da manhã às brincadeiras, jogos e leituras feitas pelo pessoal do Friburgo e da Gotas. “Esse tipo de atividade é muito importante. Todos aprendem o que significa respeito e conhecem diferentes realidades”, elogia Camila Campos Tinoco, Coordenadora Pedagógica da ONG.

Além disso, os próprios alunos ressaltaram outra conquista importante com esse trabalho: a união e a integração. “Além de aprender e ajudar, fizemos também novos amigos”, diz a estudante Beatriz Spalding, 13 anos. Uma lição que não será esquecida por eles, pelas crianças da Gotas, que se sentiram valorizadas e perceberam que existe gente que se importa com elas e que certamente ficará como um grande exemplo para os colegas e, por que não, para os adultos.

Clique aqui e veja outras fotos.

Por iniciativa dos próprios alunos, foram arrecadados e doados:

- 290 itens de higiene pessoal
- 256 produtos alimentícios
- 37 itens de limpeza
- 260 livros

Embalagens trazidas pelos alunosNeste 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, o Colégio Friburgo fez uma programação especial voltada para o consumo consciente e mudanças de atitude.

A professora e coordenadora de implantação de projetos de meio ambiente, da Associação Recicla Morumbi, Maria Júlia Labate, foi convidada a ministrar uma série de palestras para alunos desde o 2º ano do Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, além de participar também de um encontro com os funcionários do colégio.

Durante a palestra Maria Júlia falou sobre a importância do consumo consciente, a quantidade de lixo gerada, e as péssimas condições dos aterros sanitários por conta da enorme quantidade de material sintetizado que é jogada diariamente nos lixões. Mostrou o trabalho das cooperativas que fazem a separação do lixo reciclável. Os alunos viram uma camiseta produzida a partir da fibra de três garrafas Pet e souberam como é realizado todo o processo de reciclagem.
Maria Júlia Labate: palestra no Dia Mundial do Meio Ambiente Alunos do Ensino Médio também participaram de uma das palestras
Neste dia, todos foram convidados a trazer para a escola uma embalagem vazia, que foi utilizada pela palestrante, não só para exemplificar todos os materiais que podem passar pelo processo de reciclagem, como também para mostrar o volume de lixo formado com todas as embalagens. Ela também fez alguns alertas sobre os produtos que utilizam materiais não recicláveis, como por exemplo, os salgadinhos. Uma criança empolgada com a informação já foi logo dizendo: “não vou mais comer batata frita de saquinho!”Maria Júlia Labate ministra palestra para alunos do Ensino Fundamental

“O que acontece com o lixo quando vai para o aterro?”, “O que acontece com a casca do ovo?”, “Quanto tempo leva para o tecido se desintegrar?”, “O lixo espacial se decompõe?”, “Em quanto tempo o vidro se decompõe e como vocês sabem disso?”, estas foram algumas das centenas de perguntas feitas durante as palestras.

Clique aqui e veja alguns depoimentos escritos pelos alunos do 3º ano do Fundamental sobre a palestra.

No final do expediente, todos os funcionários do Colégio Friburgo e Casinha Pequenina foram convidados para um Happy Hour Ecológico. Após um lanche bem natural, todos participaram de umNa palestra para funcionários, o Professor Emerick apresentou a palestrante encontro com a professora e palestrante Maria Júlia. Também fizeram parte do conteúdo abordado as ações do Projeto Ambiental do colégio, algumas que já foram colocadas em prática e outras que passarão a fazer parte muito em breve.

“Foi um grande prazer passar o Dia do Meio Ambiente nesta escola. Além de contar com a natureza ao seu redor, o Friburgo tem alunos interessados e participativos”, disse Maria Júlia no encerramento das atividades.

Após a palestra para os professores e funcionários, o professor Ciro disse que são fantásticas as possibilidades de envolvimento ambiental que a escola tem. Por isso, mãos à obra! “A ação precisa ser coletiva e a atitude freqüencial. O envolvimento de todos é importante para a melhoria do meio ambiente”, conclui o diretor do Friburgo.
Palestra para alunos do Ensino fundamental Palestra para alunos o ensino Médio

Convites, cartões e fris já estão prontos!

Amélia, Sandra, Alice, Emerick, Ana Carolina e UchaComo acontece desde a primeira Festa Junina do Friburgo, todos os alunos do colégio são convidados a criar desenhos para serem utilizados no material impresso da festa.
Depois de uma reunião entre funcionários, professores, coordenadores e diretores, alguns desenhos foram selecionados para serem utilizados em convites, cartões, cartazes e os “fris”, moeda oficial da festa. Clique aqui e assista um slideshow com os vencedores.
Com tantos trabalhos bonitos, a escolha realmente foi muito difícil. Por isso, resolvemos colocar mais alguns desenhos na nossa galeria. Confira!

Clique aqui e leia os depoimentos dos alunos vencedores.

Clique para ver álbum de fotos da visita de nossos alunosDezenas de habitantes da tribo Kuikurus, umas das 14 etnias que vivem no Parque Indígena do Xingu, em Mato Grosso, passam 45 dias por ano no sítio Toca da Raposa, em Juquitiba. Essa parceria, que existe há mais de dez anos, favorece e facilita o intercâmbio com estudantes, que podem vivenciar a cultura, costumes e hábitos indígenas. 

No dia 23 de abril, quem teve essa incrível oportunidade foram os alunos do 3º ano do Ensino Fundamental do Colégio Friburgo. Além de entrevistar o cacique da tribo, assistiram a apresentações de lutas e danças, experimentaram o biju com peixe assado – principal alimentação dos índios do Xingu, conheceram o artesanato, sementes e plantas que originam as tintas para a pintura corporal, entre outras coisas.

Alunos posam com os índiosO melhor de tudo é que nossos alunos chegaram preparados para este encontro. Até mesmo o cacique Afukaka ficou impressionado com o conhecimento dos pequenos pesquisadores sobre o Parque Indígena do Xingu e a importância dos irmãos Villas Boas na defesa dos índios. Tudo porque as turmas estão estudando e pesquisando o assunto na sala de aula.

O trabalho de pesquisa teve início com a curiosidade de descobrir quem eram e como viviam os primeiros habitantes do Brasil e como foi o encontro com os portugueses.  Estudaram algumas lendas no livro sobre os índios do Alto Xingu. Depois, divididos em duplas, os alunos pesquisaram diversos temas sobre os índios. A preparação foi tanta que muitos alunos já tinham suas perguntas na ponta da língua quando o ônibus saia da escola a caminho da Toca da Raposa.

Alunos mais do que curiosos
João Vitor conversou muito sobre o tema com a família e estava interessado em saber o significado da palavra kuikurus, além de querer saber o que é que os índios fazem quando não têm nada para fazer. João Pedro tentou encontrar na Internet o que significa o nome da tribo, mas não achou. Para Pedro Henrique a maior curiosidade era experimentar biju, a base da alimentação dos índios. Olívia queria saber sobre os costumes e Rafael sobre a cultura. Vitor compartilha da mesma dúvida de Bianca e de outras crianças: querem saber se os índios possuem documento de identidade e como sabem a idade deles. Já Marcela se interessa pelo artesanato e quer saber como eles fazem a flauta e o arco e flecha. E assim foi durante todo o trajeto. Perguntas, perguntas e mais perguntas.

Veja aqui um ÁLBUM DE FOTOS com o registro completo desta visita que os alunos fizeram à Toca da Raposa. Aproveite também para assistir ao SLIDESHOW que preparamos.

Tintas utilizadas em pintura corporalAssim que chegaram tiveram uma demonstração das tintas utilizadas para a pintura corporal dos índios. Sementes de urucum, jenipapo, óleo de pequi, tabatinga (tipo de argila branca retiradas do fundo dos rios), entre outras, foram apresentadas aos alunos. Logo depois, a maior dúvida foi esclarecida. A maioria das crianças quis fazer uma pintura no rosto justamente com o significado da palavra kuikurus: peixinho bicudo.

Diferentemente da nossa cultura, os homens são os que mais demoram a se arrumar para uma festa. Na sua tradição são os índios que mais querem chamar a atenção. As pinturas trazem diferentes significados, assim como os colares, cocares, cintos e adornos em geral.

Quanto à alimentação o cacique contou que os índios comem peixe e biju todos os dias, além de outras verduras e legumes que plantam na horta. Mas todos se preocupam com o coletivo sempre. “Nós todos da tribo somos unidos. Ninguém passa fome ou fica triste. Faz Cacique Afukakaparte da nossa tradição”, conta Afukaka, o cacique.

Afukaka contou também que está muito preocupado com o futuro do meio ambiente, principalmente com a preservação dos rios, já que vem de lá o principal sustento da tribo. “A poluição vai entrar e matar os peixes”, explica o cacique para as crianças. Ele também explicou que não está usando nenhum adereço ou pintura porque está de luto, já que seu tio, que era pajé da tribo, faleceu. Durante um ano o cacique guarda o luto que termina na festa do kuarup, quando o cacique (ou outros líderes da tribo) pode voltar a ter uma vida normal.

Todo mundo entrou na dança
Depois da apresentação da luta huka-huka, foi a hora das danças. Os alunos do Friburgo foram convidados a participar e todos entraram na roda, tocando instrumentos, aprendendo as coreografias e músicas. Foi muito divertido e emocionante. Para o aluno Lucas a parte mais legal do dia foi justamente poder participar das danças, além de entrar na oca. Maria Júlia também gostou muito da oca e sentiu falta das redes penduradas. O fato é que esta oca, três vezes menor do que as ocas que existem na tribo, é somente um exemplo para que os visitantes conheçam a “casa” dos índios.

Os monitores, que deram assistência aos alunos durante todo o dia, contaram que todos os índios que vieram para a Toca da Raposa foram instalados em um alojamento repleto de beliches. Sabe o que eles fizeram para poder dormir? Penduraram diversas redes de um beliche para o outro. Disseram que se dormirem no colchão acordam com muitas dores nas costas.

Os alunos retornaram para São Paulo conversando sobre o que aprenderam. Cada turma, agora, vai se preparar para o próximo destino: o Museu dos Índios, em Embu das Artes. Para concluir o projeto será apresentado um produto final de cada turma. Uma delas, por exemplo, vai elaborar um jornal com todas as notícias coletadas. Vamos aguardar!

CLIQUE AQUI para ler o relatório que os alunos fizeram sobre esta visita.

Desenho da Laura - Clique para ampliarEntrar no universo artístico de Tarsila do Amaral é realmente um privilégio. Segundo Keka, professora de Artes, “é conhecer um pedacinho da nossa história e valorizar nossa cultura”. Pois foi exatamente o que aconteceu durante as aulas de Artes do curso curricular para os alunos de 4º e 5º anos.

Durante o primeiro Desenho da Júlia - CLIQUE PARA AMPLIARtrimestre os alunos procuraram identificar os trajetos da artista que foi um importante ícone da Semana de Arte Moderna (1922), marco na história cultural e artística do Brasil. Observaram e identificaram as criações de Tarsila para depois dar movimento ao personagem antropofágico da artista, uma de suas obras mais conhecidas:  o Abaporu.

Os alunos do 4º ano desenharam em papelão o Abaporu e o incluíram em novos cenários pintados com lápis aquarelado e giz pastel. O resultado foi surpreendente! Já os alunos do 5º ano criaram uma nova imagem para o Abaporu, brincando com as cores e o fundo. Além disso, realizaram uma composição com recorte e colagem, sendo a figura central uma silhueta em preto desenvolvendo a relação espacial, figura e fundo colorido com pintura em aquarela.Desenho da Bianca - CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR

Para os alunos de 2º e 3º anos, o trabalho foi desenvolvido com outro artista, tão importante quanto a Tarsila, e que chama a atenção pelas suas obras coloridas: Alfredo Volpi.

“Inspirados nas obras de Volpi, os alunos geometrizaram as formas de seus desenhos e coloriram com lápis aquarela, com cores vibrantes, provocando ao olhar do observador diferentes sensações”, explica a professora.

Vale a pena conferir esta galeria de artes! Clique no link ao lado para ver 41 desenhos selecionados. Ou clique aqui para ver um lindo slideshow com estas obras de arte!

Detalhe da manchete no Comunique-se - CLIQUE PARA AMPLIAR A IMAGEMA repórter Carla Soares Martin, do site Comunique-se, portal voltado para os profissionais e estudantes de Comunicação, esteve no Colégio Friburgo durante duas manhãs inteiras acompanhando as aulas do Programa de Formação para o Trabalho e Cidadania (PFTC) do Núcleo de Comunicação. E como resultado, publicou uma matéria sobre o inovador projeto da escola que dá uma introdução para o Jornalismo, Cinema e Televisão, para dentro das salas de aula do Ensino Médio.

O texto dá especial atenção ao ensino de Jornalismo, ministrado pelos professores Francisco Ucha e Marcos Stefano. Além disso, também traz relatos de alunos e ex-alunos, Ao lado de Júlia, Amanda lê uma poesia de Vinícius de Moraes do livro Para Viver um Grande Amor, lançado em bancas pela Folha de S.Paulo. CLIQUE PARA AMPLIAR.que falam sobre aquilo que têm aprendido. Nas palavras da professora Iracy Garcia Rossi, Coordenadora Pedagógica ouvida pela repórter, “a proposta segue a metodologia do colégio e procura sensibilizar o aluno para a realidade, as diferenças sociais e incentivá-lo a contribuir para mudanças”. Com milhares de leitores, entre eles profissionais renomados e estudantes de Comunicação, o Comunique-se é hoje um dos principais portais do gênero no país, acompanhado por todos aqueles que desejam saber o que acontece de mais importante em termos de mídia no país. O destaque dado à reportagem no Friburgo (ela foi manchete do site durante cinco dias) é mais uma mostra de que a escola está escrevendo certo por linhas retas.

Clique aqui para ler a matéria publicada no Comunique-se.
Clique nas fotos dos alunos para ampliá-las.
Ucha e Thiago - CLIQUE PARA AMPLIARMilena: paixão pela música e pela palavra. CLIQUE PARA AMPLIARBeatriz quer fazer Jornalismo. CLIQUE PARA AMPLIAR

Thiago, Guilherme e Ronan: descontração e debates durante a aula.

Clique aqui para ampliar este mapa
O trânsito é um dos maiores desafios em uma cidade como São Paulo, que ultrapassou a marca de 6 milhões de veículos e ainda emplaca 800 carros por dia.
Na quadra onde se localiza o Colégio Friburgo os problemas de trânsito não são diferentes. Nos horários de entrada e saída dos alunos, costuma haver um congestionamento que gera reclamações da vizinhança e dos motoristas, além de incomodar os pais e atrapalhar o bairro. Porém, com medidas simples e alguns poucos cuidados, esse transtorno pode ser evitado. Afinal de contas, a escola é um espaço de aprendizagem, que inclui também educação de trânsito. Dê o exemplo; nessas horas, os estudantes aprendem com as atitudes dos motoristas. Com algumas regras simples podemos melhorar o trânsito no entorno do colégio.Adote os seguintes procedimentos:Não estacione em fila dupla!
Não estacione em fila dupla. Além de estar sujeita a multa, esta atitude irá dificultar o trânsito dos veículos, causando congestionamento.
Oriente seu filho para que esteja atento às chamadas da portaria, através do sistema de som.
Caso seu filho não atenda de imediato, contorne novamente o quarteirão; são apenas 300 metros (veja a imagem acima; clique nela para ampliar o mapa).
Cuidado! A primeira rua à direita da R. Armando Barroso é contra-mão! Contorne a praça.
Não estacione em frente às garagens. Nossos vizinhos têm reclamado dessa grave falta.
Não estacione em frente ao portão da escola. Este espaço é destinado somente para embarque e desembarque dos alunos.
Não buzine. Esta não é uma forma adequada (e educada) de comunicação.
Atenda às orientações dos porteiros que trabalham com dedicação para oferecer o melhor atendimento às famílias.

Clique aqui para ler mais sobre a dengueO verão acabou. Mas nem por isso os cuidados com o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, ficarão de lado. A Prefeitura de São Paulo iniciou em março uma grande campanha contra a dengue. Além do mutirão de agentes da Secretaria da Saúde que farão a vistoria em todas as regiões da capital, a campanha conta também com um material destinado às escolas.

Quando se trata de um assunto que preocupa toda a comunidade, nada melhor do que envolver crianças e jovens que rapidamente assimilam a grande responsabilidade que todos têm para fiscalizar os possíveis focos da dengue. E desta forma, não é necessário esperar o agente para fazer a Clique neste cartaz para ampliá-lovistoria. Todos podem e devem contribuir.

A lição de casa é fácil: basta manter caixas-d’água bem tampadas, guardar pneus em locais cobertos, colocar areia grossa nos pratos dos vasos e eliminar a água parada de qualquer local.

Segundo o Balanço da Saúde, no primeiro trimestre de 2008 o estado de São Paulo reduziu em 97% o número de casos de dengue comparado ao mesmo período de 2007. No ano passado, de janeiro a março, foram registrados 44.760 casos da doença. Este ano o número de pessoas infectadas passou para 1.297.

Clique aqui para saber mais sobre os sintomas da dengue e sua prevenção.

O combate é incessante e conta com a ação de toda a comunidade. Participe você também!

Entrada do sítioVista do terreno do Japi
O Colégio Friburgo deu mais um importante passo para conciliar educação de qualidade com a preservação do meio ambiente. Nesta quarta-feira, 2 de abril, representantes da escola estiveram reunidos com a Secretária Municipal de Educação de Cabreúva, a professora Mirian Reining, para discutir uma parceria inédita entre a cidade e o colégio. O Friburgo mantém naquele município, a cerca de 80 quilômetros de São Paulo, uma área de 400 mil metros quadrados na reserva ecológica da Serra do Japi. Chamada de Estação Natureza, a propriedade é usada por alunos do colégio emLeandro, Iracy, Mirian, Vera e Nancy atividades pedagógicas. Agora, a proposta é melhorar sua estrutura e realizar um trabalho também com estudantes de escolas públicas de Cabreúva.

A comissão do colégio, que contou com Iracy Garcia Rossi, Diretora Pedagógica e de Assuntos Comunitários, Vera Márcia Barreto, coordenadora  do Ensino Médio, Leandro Duarte eEquipe do Friburgo em trilha no Japi Nancy Conceição, professores de Habilidades e Potencialidades 2 (HP2), apresentou à secretária de educação um projeto que pode beneficiar mais de 700 alunos do 4º ano do Ensino Fundamental de escolas públicas de Cabreúva. A idéia é capacitar estudantes do Ensino Médio do Colégio Friburgo para servirem como instrutores e guias dos alunos das escolas municipais em atividades educativas e pedagógicas desenvolvidas nas trilhas da Estação Natureza. Além disso, outras atividades conjuntas como um reflorestamento com árvores nativas na região e a criação de um Núcleo de Educação Ambiental, que ofereça palestras, cursos e de quebra faça um levantamento da fauna e da flora do local, também estiveram na ordem do dia. “Ainda foi uma conversa preliminar e apresentaremos um projeto mais completo nos próximos dias. Mas, se tudo der certo, ele permitirá melhorias consideráveis em nossa área na Serra do Japi, além de permitir novas possibilidades para alunos do Friburgo e de Cabreúva. Todos têm a ganhar com essa parceria e intercâmbio. Especialmente, por causa da identificação que os alunos terão com a natureza da região”, explica a Vista da Serra do Japi a partir de um local dentro do sítioprofessora Iracy Garcia Rossi. Depois que o projeto for entregue por entregue por escrito, uma nova reunião será realizada com a presença dos representantes das pastas de Cultura e Meio Ambiente, além da Educação. “Para Cabreúva, essa parceria com uma instituição tão tradicional e respeitada como o Friburgo será grande oportunidade de desenvolver o conhecimento e a Entrada do sítio onde será instalado o projeto Estação Naturezaconsciência de preservação do ambiente. A educação não é simplesmente trabalho, mas missão e vocação que luta pelo futuro”, conclui a Secretária Mirian.Os professores aproveitaram a viagem para visitar a área da Estação Natureza. Ao lado do Gerente Operacional Gilberto Cruz, verificaram a infra-estrutura do local. Além de discutirem melhorias e construções a longo prazo, eles analisaram a possibilidade de fazer novos banheiros, chuveiros, mesas e iluminação para que os alunos possam acampar na propriedade. Clique nas fotos para ampliá-las.

Revista Monet de abril - As 100 melhores séries - Clique para ampliarFernanda Furquim, professora do PFTC (Programa de Formação para o Trabalho e Cidadania) de Comunicação – onde dá aulas de História Contemporânea e sua Influência nas Séries de TV – foi uma das jornalistas convidadas a eleger as 100 melhores séries de todos os tempos, entre mais de uma centena de convidados. A matéria de capa foi publicada na edição de 5 anos da revista Monet, da Editora Globo. Além de muitos jornalistas, fizeram parte desse privilegiado juri, publicitários, atores e diretores. Porém, seus votos somados resultaram numa lista polêmica cuja matéria preencheu 20 páginas da publicação. A Fernanda nos contou quais foram suas séries eleitas, mas ela ressalta que não votou em todas que queria porque os “jurados” só podiam escolher 10 séries: “tive que deixar de lado algumas muito boas porque sabia que elas seriam I Love Lucy - Logo de aberturavotadas”, explicou. “Além disso, não votei em nenhuma que está sendo exibida, porque seria injusto dar um voto para um produto ainda incompleto”. Eis, então, a lista da Fernanda:
I Love Lucy • Cidade Nua • Combate • O Prisioneiro • M.A.S.H. • Mary Tyler Moore • Rumo ao Sul • The West Wing • Família Soprano • Seinfeld
Clique aqui para conhecer o blog especializado em séries de TV da Fernanda.

Uma turma aprendendo consciência ecológica - Clique para ampliar
Os alunos de sete a onze anos do Colégio Friburgo estão dando exemplo de preservação da Natureza.  Mostrando que vestiram a camisa do Ano Internacional do Planeta Terra - campanha organizada em 2008 pela Unesco -, esses verdadeiros econautas-mirins estão realizando uma série de pequenas ações para fazer na prática o que aprendem na teoria.

Reclicle! Clique para ver mais desenhosAs turmas de 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental montaram murais nas salas com compromissos assumidos por cada aluno e por suas famílias, como apagar a luz ao sair da sala e diminuir o consumo de descartáveis.

Já algumas turmas, como o 4º B estão juntando restos de papel para reciclar e fazer cartões para o dia das mães. Eles também bolaram slogans que serão colados acima dos interruptores de luz da escola para conscientizar colegas, funcionários e professores sobre a importância de economizar energia. Junto às frases estará a mascote da campanha. Desenhado e escolhido em votação pelos próprios estudantes.

Clique aqui para ver um slideshow com alguns dos desenhos feitos pelos alunos e aqui para ver desenhos e fotos no Flickr.

Quando os pequenos dão aula e viram mestres

Grande vilão do meio-ambiente, já que pouco é biodegradável e mesmo sua reciclagem também prejudica a natureza, o lixo descartável, principalmente os copos e embalagens plásticas, estão recebendo tratamento especial por parte dos alunos de segundo a quinto anos do Ensino Fundamental do Friburgo. Apesar da pouca idade eles estão dando uma verdadeira aula sobre preservação do meio-ambiente para os mais velhos com pequenas iniciativas como diminuir o consumo dos descartáveis.

Professora Maria CláudiaPara tanto, os pequenos mestres montaram com a ajuda de seus professores uma tabela em cada turma que serve para contar a quantidade de material descartável que cada criança traz em seu lanche diariamente. O objetivo, com a ajuda dos pais, é diminuir ao longo do tempo a quantidade desse tipo de material. “Envolvemos também as famílias e a comunidade, levando à conscientização. Para que usar guardanapos de papel, se podemos diminuir a quantidade de lixo que produzimos, embrulhando tudo em um de pano? Trazer um sanduíche feito em casa no lugar daqueles salgadinhos industrializados é outra atitude que além de ser ecológica, faz um tremendo bem para a saúde”, garante Maria Claudia Giopatto (foto), professora do 3º ano.

Uma rápida olhada pelas tabelas, que ficam expostas em um canto da lousa, é suficiente para mostrar que a iniciativa tem dado frutos. Mas o que chama mais a atenção são as garrafinhas de água ou suco nas mesinhas onde sentam as crianças. Maria Claudia explica: “Aposentamos de vez os copos descartáveis. Agora, bebida só na canecaCada aluno traz sua garrafinha de casa e sempre a usa para beber”. No começo, se os pais não lembrassem, as crianças também se esqueciam. Mas agora, todas fazem questão de lembrar e trazer as garrafinhas, que vêm fazendo enorme sucesso. De todos os tipos e cores, algumas já estão sendo até personalizadas e acabam revelando um pouco da personalidade da criança.

Professores também substituíram o copo descartável pelas suas canecasCom essa e outras iniciativas, como a de trazer reportagens e dicas sobre preservação do meio-ambiente publicadas em suplementos infantis dos jornais ou publicações dirigidas para as crianças, com o objetivo de debater cada matéria com os coleguinhas, os jovens mestres do Friburgo estão dando uma verdadeira aula de consciência e compromisso para com o futuro do planeta.

Palhaço Popó cumprimenta o Professor Ciro sob o olhar atento do Gilberto. Clique para ampliar.A abertura da Interação foi com Street Dance - Clique para ampliar esta foto
Foi um sábado repleto de diversão. Apesar do tempo nublado, pais, alunos e professores marcaram presença em nossa animada festa da Interação 2008. Sem a Basquete - Clique para ampliarchuva para atrapalhar os planos, todos puderam aproveitar momentos de alegria com muitas atividades. O evento começou às 10 da manhã e, aos poucos, um grupo se juntou para aprender alguns passos de street dance e outros puderam fazer Yoga. A turma do esporte logo se encontrou para disputar partidas de futebol e vôlei. Muitos se divertiram arriscando algumas cestas no basquete. Enquanto isso, outros montaram times de canibal e queimada e começaram uma disputa emocionante. Grupos menos agitados preferiram aprender um pouco sobre o folclore das danças circulares e – claro – dançaram também. E o Palhaço Popó alegrou crianças e adultos com suas criativas esculturas feitas com bexigas.

Pintura de azulejo - Clique para ampliarAlgumas atividades aconteceram dentro das salas. Na informática, as crianças brincaram com suas próprias fotos no computador e depois receberam camisetas essas imagens impressas. O desafio de Tangram e a pintura em azulejo também foram muito procuradas. Com tanta gente querendo pintar, os azulejos acabaram e eles foram substituídos por… papel! Mesmo assim, ninguém arredou o pé. Finalmente, a equipe da Rádio Metropolitana, promoveu uma balada para a turma jovem no Teatro Grande Otelo.

Assista aqui a um slideshow com as 53 fotos disponíveis e aproveite para ver se você apareceu em alguma. Clique aqui para ver um álbum com todas as fotos.

Festa da Interação - Dia 15 de Março a partir das 10 horasNo sábado, 15 de março, das 10 às 14 horas, o Colégio Friburgo abre suas portas para mais uma Interação, a festa que já virou tradição na abertura do ano escolar. Com a presença de pais, alunos, funcionários e professores, serão realizadas atividades de esporte, lazer e oficinas para integrar a comunidade e permitir que as famílias conheçam aqueles que trabalham no Friburgo e o projeto educacional da escola.

Este ano, a festa contará com a participação do pessoal da Rádio Metropolitana (FM 98,5), que fará entrevistas, brincadeiras, desafios educativos e promoções com os presentes, e da Pingo no i que apresentará uma Gincana de Tangram e Baralho Alfabético. A festa também terá a presença de um animador da Cia. Um, Dois… Feijão com Arroz e suas divertidíssimas histórias, ilustradas com esculturas feitas com bexigas, além dos DJs Alessandro Santos e Giu, que farão uma balada no Teatro Grande Otelo.

Teatro Grande Otelo - Clique para ampliarEssas atividades se juntam ao futsal, vôlei, queimada, street dance, ioga, confecção de foto transfer e curso de pintura em azulejo, entre tantas outras, que prometem agitar os participantes de todos os gostos e idades.

“É uma excelente oportunidade para estreitar relações e trocar experiências entre pais e alunos“, diz a professora Amélia Gaulez, Coordenadora do Período Ampliado e uma das organizadoras da festa. “Os novos alunos podem conhecer melhor os colegas e os velhos amigos têm a chance de se reencontrar. Além do mais, todos acabam entendendo melhor a proposta diferenciada do Friburgo e vivenciando na prática aquela idéia de comunidade”.

Clique aqui para ver a programação completa da Interação.

Máscaras, projeto para o 3° ano EF - CLIQUE PARA AMPLIAR
O Carnaval, a maior festa popular do Brasil, que atrai milhares de turistas ao nosso país, mereceu um olhar especial em nossa escola. Orientados pela professora Cláudia, os alunos do 3º ano do Ensino Fundamental fizeram um estudo sobre o uso de máscaras nas folias de Rei Momo e descobriram que o uso delas entre os povos das mais diferentes culturas Máscaras - CLIQUE PARA AMPLIARtem como finalidade transformar imaginariamente uma pessoa em outra. Também servem como amuleto ou simplesmente para brincar.

Usando folhas de jornal, cola, tinta guache, gliter e muita criatividade, confeccionaram máscaras inspirados principalmente em dois temas: monstros e animais. Na sexta-feira, caíram na folia e, ao som do samba-enredo do Friburgo, fizeram uma festa muito animada no teatro da escola.

Adriana e Adson - Clique para ampliarEquilíbrio, concentração, controle da respiração, bom condicionamento físico e, logicamente, talento dramático. Essas são as principais características para a interpretação de uma estátua viva.

Esta arte, originária da Grécia, teve seus primeiros personagens saídos do Teatro. E logo depois se disseminou por toda a Europa até conquistar o mundo. Hoje, o estatuímo – que é a arte da representação de uma escultura perfeita mediante a imobolização – conquistou seu espaço e é uma atração para todo tipo de público. Atraí todos os olhares, desde os pequeninos e curiosos até os mais experientes.

Adriana Gatti, responsável pela Gatti Eventos, fez um estudo específico para a preparação do personagem Atlas no Friburgo. “A maquiagem, o figurino e o globo foram produzidos especialmente para a ocasião”, conta. Adson Boer, de 26 anos, foi o escolhido para Adson terminando de se pintar - Clique para ampliarinterpretar o titã da mitologia grega. Boer, é performer há pouco mais de um ano e começou sua carreira com Fausto Lima, um dos mais conceituados profissionais da área. Mas, apesar do pouco tempo trabalhando como estátua viva, ele deu um verdadeiro show de interpretação na chegada dos alunos na escola em nosso primeiro dia de aula.

Clique aqui para ver um slideshow do making of da transformação de Adson em Atlas. Leia mais sobre este evento.

Clique para ampliarClique para ampliar
A volta às aulas no Friburgo foi surpreendente! Quem deu as boas vindas aos nossos estudantes que retornavam para mais um ano letivo, foi uma estátua viva. E já que estamos em 2008, que foi oficializado pela Unesco como o Ano Internacional do Planeta Terra, o personagem escolhido não poderia ser outro se não o Atlas, figura mitológica grega que é representado segurando um globo.

Clique para ampliarA performance aconteceu em dois momentos – uma na entrada da turma da manhã e outra, na da tarde – e fez o maior sucesso entre pais, professores, funcionários do colégio e, principalmente, os alunos. Ao lado de uma enorme faixa onde se lia “Bem Vindos”, todos que chegavam ao colégio se admiravam com aquela figura, que à primeira vista, parecia uma escultura prateada. Mas, logo o ator se fazia perceber através de pequenos movimentos que interagiam com a platéia.

Cada aluno reagia das mais diversas maneiras ao ver o titã de prata. Olhares curiosos, movimentos furtivos, descontração, respeito. Muitos tentavam se comunicar com a estátua, outros apenas observavam com atenção. Pais tiravam Clique para ampliarfotos de seus filhos ao lado do ser mitológico. De tão distraído, teve aluno que tomou um grande susto quando a estátua se movimentou de surpresa.

Para ver um slideshow com as fotos deste evento, clique aqui. Para ver todas as fotos, visite o nosso álbum no Flickr. Clique nas fotos que ilustram este texto para ampliá-las.

Toda essa atividade teve como finalidade dar início a uma série de atividades de conscientação ecológica que o Friburgo está preparando para este ano letivo. É só aguardar o que vem por aí. Um feliz início de aulas para todos!

Fotos: Francisco Ucha

Sebinho do FriburgoA partir desta semana, os alunos que quiserem vender seus livros usados nos anos anteriores poderão deixá-los no CA. A venda acontecerá entre os dias 22 de janeiro a 12 de fevereiro em nosso já tradicional Sebinho. Vale lembrar que o preço médio de um livro didático usado, no ano passado, foi de R$8,00. Muitos livros novos custavam em torno de R$ 50,00. Assim, quem participa deste evento garante uma boa economia.

A devolução dos livros não vendidos acontecerá depois do Carnaval, no dia 13 de fevereiro.  Os livros não retirados serão doados após esta data.

Local: C.A (Central de Atendimento)
Horário: das 9h às 13h

Durante os dois dias de apresentações do Expressões no Teatro Grande Otelo, foi apresentado um texto que citou os Dez Direitos Naturais das Crianças. Freqüentemente esse texto é creditado ao educador e escritor Rubem Alves. Mas não é verdade. Na realidade, os Dez Direitos foram extraídos de um folheto distribuído num congresso sobre educação na Itália, que ele participou. Rubem Alves conta essa história no texto “… o melhor de tudo são as crianças…”. Clique no link para ler todo o artigo. A seguir publicamos os Dez Direitos Naturais das Crianças:

Crianças no Friburgo1. Direito ao ócio: Toda criança tem o direito de viver momentos de tempo não programado pelos adultos.

2. Direito a sujar-se: Toda criança tem o direito de brincar com a terra, a areia, a água, a lama, as pedras.

3. Direito aos sentidos: Toda criança tem o direito de sentir os gostos e os perfumes oferecidos pela natureza.

4. Direito ao diálogo: Toda criança tem o direito de falar sem ser interrompida, de ser levada a sério nas suas idéias, de ter explicações para suas dúvidas e de escutar uma fala mansa, sem gritos.

Crianças pintam5. Direito ao uso das mãos: Toda criança tem o direito de pregar pregos, de cortar e raspar madeira, de lixar, colar, modelar o barro, amarrar barbantes e cordas, de acender o fogo.

6. Direito a um bom início: Toda criança tem o direito de comer alimentos sãos desde o nascimento, de beber água limpa e respirar ar puro.

7. Direito à rua: Toda criança tem o direito de brincar na rua e na praça e de andar livremente pelos caminhos, sem medo de ser atropelada por motoristas que pensam que as vias lhes pertencem.

8. Direito à natureza selvagem: Toda criança tem o direito de construir uma cabana nos bosques, de ter um arbusto onde se esconder e árvores nas quais subir.

Crianças na Casinha Pequenina9. Direito ao silêncio: Toda criança tem o direito de escutar o rumor do vento, o canto dos pássaros, o murmúrio das águas.

10. Direito à poesia: Toda criança tem o direito de ver o sol nascer e se pôr e de ver as estrelas e a lua.”

Aproveite para visitar o site oficial do educador e escritor Rubem Alves. Leia sua biografia aqui também.

Turma de capoeira do Friburgo com os diplomas - Clique para ampliar
No sábado, dia 1º de dezembro, começou Expressões, evento de encerramento do ano de 2007 do Período Ampliado, que é coordenado pela professora Amélia. Neste primeiro dia houve a entrega das cordas das turmas de Capoeira, iniciando com uma ginga coletiva e apresentação dos mestres. Turma de Capoeira - Clique para ampliar esta fotoDepois houve a apresentação dos alunos do 2º ao 5º ano, com o bumba meu boi, e do 6º ao 9° ano, com maculelê. Finalmente, foram realizadas rodas por categoria de cordas, jogo de compra, roda dos mestres e professores e entrega das cordas pelos padrinhos e também dos certificados.

Em e-mail enviado a todos no colégio, Amélia elogiou o professor Walter, que “cumpriu muito bem o seu papel de educador e responsável maior pelo desenvolvimento do evento”. Além disso, ele “seguiu um cronograma diversificado e muito interessante, mantendo a atenção e a Turma de Capoeira - Clique para ampliar esta fotodisciplina de todos os participantes”. Ela aproveitou para agradecer também as equipe que colaborou para a realização e a montagem do evento, incluindo os mestres convidados.

Para você ver uma slideshow especial desse evento, clique aqui. Para ver as fotos numa resolução maior, clique aqui. Para ampliar as fotos que ilustram este texto, clique nelas.

A Editora Abril entrou firme na luta pela preservação do meio ambiente e lançou, em 2007, o projeto Planeta Sustentável, que divulga informações sobre aquecimento global e sustentabilidade em suas revistas, além de ter um site só para tratar desse assunto, cuja visita recomendamos. Nesse endereço na internet há muitas informações sobre os novos desafios que a humanidade enfrenta, além de vídeos, infográficos, eventos e agenda ecológica, dicas de publicações, fórum, simuladores e um blog constantemente atualizado.

Uma das áreas do site que deve ser lida e relida por todos é o Manual de Etiqueta Sustentável que traz 50 dicas muito simples que todos podem adotar no dia-a-dia para melhorar a vida no Planeta Terra. São mudanças de atitude recomendadas em sua própria casa, no trabalho, circulando pelas ruas e em sua vida pessoal. Segundo o texto de apresentação do manual, que já foi distribuído também em algumas revistas da editora, “um bom começo é praticar os “três erres”: reduzir, reutilizar e reciclar”.

Desde a sua fundação, há 48 anos, o Colégio Friburgo tem em sua filosofia de trabalho e em seu currículo, valores fundamentados na ecologia e na preservação do meio ambiente, e estimula a participação de todos em campanhas de sustentabilidade e na consciência de que devemos agir urgentemente para melhorarmos a vida no Planeta Terra.

Parkour no You TubeO Professor Bruno Landim, que ensina natação e parkour no Período Ampliado do Friburgo, produziu um simpático filme com alguns momentos das aulas de parkour e de apresentações se seus alunos no Frisportes, evento que aconteceu no sábado, dia 10. Aliás, este vídeo está inagurando o endereço do Friburgo no You Tube, o mais famoso site de vídeos do mundo. Por isso, fique antenado porque, a partir de agora iremos publicar algumas de nossas atividades filmadas na internet. Para ver o vídeo do Professor Bruno, clique na imagem acima.

Expressões 

No início de dezembro começam as Expressões, com as apresentações dos alunos do Período Ampliado finalizando as atividades culturais do ano de 2007. No sábado, primeiro de de dezembro, haverá troca de cordas da turma mirim de Capoeira. Na terça-feira, dia 4, é o dia de Teatro e Dança, com apresentações de peças e street dance. Finalizando Expressões, na quarta, dia 5, haverá apresentações de ginástica olímpica e coral. Veja abaixo a programação:

1 de dezembro - Capoeira
10 h - Encontro do Capoeira Mirim - 2º ao 9º ano

4 de dezembro - Teatro e Dança
19h30 - A História de Romeu e Julieta - 2ºB e 3ºB EF
20h - Street Dance - 6º ao 9º EF
20h30 - Os meninos Maluquinhos - 4ºB e 5ºB EF

5 de dezembro - Ginástica Olímpica e Coral
19h30 - As diferentes expressões da ginástica: A escola, o circo, o  cinema - 2º ao 6º EF -�
20h  - Canções do Mundo - 2º ao 6º EF

Exposições permanentes nos dias 4 e 5 de dezembro
• Oficina Literária • Natação
• Artes - Trabalhos dos alunos do período regular.
Local : Pátio Coberto

Ingresso: 1 kg de alimentos não perecíveis

Alunos aprendem a andar em skate - Clique para ampliar
Pais e alunos do Friburgo aproveitaram muito bem o sábado passado, dia 10 de Futebol - Clique para ampliarnovembro, com o Frisportes, evento organizado por Amélia, Coordenadora do Período Ampliado, com o apoio da Tática Marketing Esportivo. O dia amanheceu com uma forte chuva, e isso assustou um pouco os organizadores. Mas que nada! Logo a chuva passou, dando espaço ao Sol e a chegada de vários pais e alunos que puderam, juntos, participar de várias atividades esportivas, tais como futebol de campo, vôlei, parkour e basquete. Destaque para o Skate que teve uma apresentação especial feita pelos integrantes da Tática Marketing Esportivo.

Futebol de campo - Clique para ampliar

Folder de apresentação do novo visual do Friburgo - Clique para ampliar
O Departamento de Comunicação e Marketing do Friburgo está contente com a receptividade dos alunos de nossa escola às peças que criamos para marcar o novo padrão visual do colégio. A campanha “Qual é a sua natureza?” apresentou, entre outras peças, o nosso novo site, este blog, o folder (acima) e alguns painéis (abaixo) que espalhamos pelo colégio. Recebemos em nossa sala de criação a visita de três alunos – Manoela Ruibal (que aparece acima com fitas verdes e amarelas no cabelo), Pérola Imamura e Douglas Brunelli (de chapéu) – que viram com alegria o folder antes de ser impresso e adoraram as fotos que escolhemos. Tanto é que eles pediram uma cópia das imagens e foram prontamente atendidos. Na realidade, nossa campanha é uma homenagem simples de todos nós que trabalhamos na escola aos nossos alunos, base de todas as nossas atenções. Parabéns a todos e obrigado pela simpatia!

Fernanda Victoria - Clique para ampliarJennifer Mayrink - Clique para ampliarEm cima, Anna Luiza. Embaixo, Beatriz Glikmanas, Lívia Franco e Naomi Quirino - Clique para ampliar
Izabela Gonzalez - Clique para ampliarOliver Rehder - Clique para ampliarEm primeiro plano, Luca Natalini

Fotos: School Picture e Fernanda Sá

Clique aqui para ver um slideshow da Liverdade 2007A Liverdade 2007 foi um grande sucesso! Basta uma frase simples assim para resumir o que aconteceu no sábado, dia 20 de outubro, em nosso colégio. Professores, coordenadores e, principalmente os alunos, se mobilizaram para criar um grande evento cultural. E não deixaram por menos: todos ficaram satisfeitos com os resultados alcançados, depois de várias semanas de pesquisa.

A fotógrafa Fernanda Sá esteve presente e registrou instantes preciosos com seu olhar poético. Pais e alunos também podem ver todas as 144 fotos da Liverdade 2007. É só clicar aqui para ir ao Flickr e conferir as imagens. Para ver um slideshow com essas fotos, clique aqui.

Veja também as fotos que a Fernanda fez na quinta-feira, dia da montagem da Liverdade 2007, clicando aqui. São 60 fotos que podem ser admiradas também num slideshow clicando-se aqui.

A professora Silvana de Oliveira, de Gramática e Redação, fez um resumo de alguns dos trabalhos apresentados na Liverdade 2007, com depoimentos de alunos, além de dar sua própria declaração sobre o trabalho que envolveu as turmas do 1° e 3° ano do Ensino Médio. Eis o texto (clique nas fotos para ampliá-las):

Projeto Origens - Clique para ampliarProjeto: Origens - 7º ano do Ensino Fundamental
Professores envolvidos: Camila, Leandro, Marcos, Paula, Ana, Wagner
Proposta: Leitura de várias teorias sobre a origem da vida na Terra, associada às origens de cada aluno. Várias etapas foram percorridas, como elaboração de um texto, criando hipóteses para o surgimento das espécies e expressão corporal representativa da criação do mundo.

Depoimento da aluna Giovanna Michelleto: “Fiquei entusiasmada com a integração de minha classe. Colocamos em prática o coleguismo e me surpreendi com a cooperação e o envolvimento de todos.”

Projeto: Povos pré-colombianos - 5º ano do Ensino Fundamental
Professoras envolvidas: Carla e Sandra
Povos pré-colombianos - Clique para ampliarProposta: O estudo das sociedades de uma época antiga, suas formações, o desenvolvimento de suas culturas, as relações estabelecidas, suas formas de organização. Os alunos promoveram um estudo comparativo entre as civilizações dos incas, dos maias e dos astecas. Como produto final, o 5ºano A desenvolveu um jogo de trilha com perguntas e respostas sobre o tema estudado e o 5º B elaborou uma enciclopédia.

Depoimento do aluno André Perrone: “Fiquei feliz quando percebi que eu e meus colegas conseguimos responder às nossas próprias perguntas; exatamente sobre o que tínhamos curiosidade sobre os povos estudados.”

Projeto: Curiosidades científicas e fichas descritivas de animais marinhos e das neves - 2º ano do Ensino Fundamental
Curiosidades de animais marinhos e das neves - Clique para ampliarProfessoras envolvidas: Liloca e Alice
Proposta: Estudo da produção de textos, a fim de auxiliar no processo de leitura e de escrita da fase inicial de alfabetização. Como produto final, elaboraram um álbum de figurinhas.

Depoimento da aluna Maria Júlia Gomes: “Gostei do trabalho com massinha e papel machê porque não imaginava que as peças ficariam tão lindas. Isso me surpreendeu bastante!”

Projeto: Vale do Paraíba - 2° ano do Ensino Médio
Professores envolvidos: Antonio Carlos, Marcelo, Márcia, Desirée, Celli, Vera
Proposta: Após viagem de estudo do meio, os alunos definiram alguns temas para serem desenvolvidos: industrialização, turismo, meio ambiente e passado histórico.

Depoimento da aluna Rayane Ribeiro P. do Nascimento: “Constatei que é possível a união de uma classe para um mesmo objetivo. Um auxiliou o outro na hora das idéias e principalmente na construção do trabalho. Foi diferente porque aprendemos fora da sala de aula. Isso nos despertou interesse pelo assunto. Conhecemos vários aspectos desse local e gostamos dessa experiência.”

Projeto: Santos/Cubatão - 1º ano do Ensino Fundamental
Professores envolvidos: Vera, Carl
Estudo do meio: Santos e Cubatão - Clique para ampliarProposta: Após a viagem do estudo do meio, promoveram um levantamento dos problemas nessa região, tais como: poluição em Cubatão e Porto de Santos prejudicando o mangue. Os alunos apresentaram sugestões para “solução/amenização”. No dia da Liverdade, eles reuniram-se em uma mesa redonda para debate e defesa de ponto de vista.

Depoimento dos alunos Thomas, Pérola e Emily: “Pudemos ver de perto todo o sistema de produção das indústrias, além de como a poluição afeta o meio ambiente e a vida das pessoas. Aprendemos a valorizar os espaços e a importância da conscientização de todos nós.”

Projeto: Contato - Tema: Pirataria - 3ª ano do Ensino Médio
Professores envolvidos: Celli e Emílio
Proposta: Criar uma reflexão para as pessoas formarem opinião, a partir disso, promover uma ação/decisão.

Depoimento do aluno Bruno I. Shintate: “O que mais me surpreendeu é que, no meio do caos, surgiu um produto final que me proporcionou orgulho e satisfação!”

Projeto: A música como instrumento de manifestação social - 1° e 3° ano do Ensino Médio
Professores envolvidos: Silvana, Emílio e José Carlos
Proposta: Contextualizar o período da ditadura militar e constatar os diversos papéis da música na sociedade, além do trabalho com a linguagem verbal e não-verbal.

Depoimento da professora Silvana, de Gramática e Redação: “Senti orgulho de meus alunos, quando constatei que muitos conheciam várias músicas brasileiras selecionadas para audição. A palestra da professora Arlete Diogo, que reforçou em todos nós o sentimento de pavor pela ditadura, também demonstrou o grande interesse que os alunos têm pela história do Brasil. Por fim, as paródias elaboradas pelas turmas do 3º ano foram dignas de aplausos pela criatividade, ousadia, humor e crítica.”

Fotos: Fernanda Sá

Fomos surpreendidos, na semana passada, por esta linda mensagem de agradecimento que Fatima Menezes, mãe de Ana Beatriz, nos enviou relatando a experiência que ela e a filha estão vivendo, principalmente agora, com as dificuldades impostas pelo Vestibular. Esse texto emocionante sintetiza bem qual é o nosso objetivo; qual é a natureza do nosso ensino:

Ana Beatriz, do 3° ano do Ensino Médio - Clique para ampliarNo domingo, dia 28 de outubro, fui levar minha filha Bia para fazer sua primeira prova de vestibular. O silêncio sério e o rosto marcado demonstravam a tensão e o medo que acompanham as experiências novas e decisivas na vida de qualquer pessoa. Apesar de tecnicamente reconhecer a oportunidade da experiência, não deixei de derramar algumas lágrimas de angústia depois que a Bia saiu do carro e se dirigiu para o corredor que parecia levá-la ao cadafalso…Ontem de noite, o mesmo rosto tenso foi substituído por um sorriso largo, iluminado e cheio de experiência ao relatar para o primo mais novo as dificuldades de um vestibulando. Certamente esta não é a conquista que a Bia realmente deseja. Ela quer mais. Mas sem dúvida foi um bom começo. Um bom sinal.Alcançar o que ela deseja é uma questão de tempo  e dedicação. Tenho me surpreendido muito com minha filha. Volta e meia ela comenta um trabalho, faz uma observação que me surpreende: de onde ela tirou tal argumento? Como argumenta bem! Que idéia mais original!

Minha experiência de 30 anos de professora me permite garantir que a prática pedagógica em que ela esteve inserida foi decisiva na formação segura que ela apresenta nos dias de hoje.

Por isso quero agradecer ao pessoal do Colégio Friburgo que compartilhou comigo a formação da Bia. Envolvido em um ambiente de grande afetividade, ela pôde vivenciar oportunidades que permitiram o desenvolvimento do espírito crítico que faz a diferença na vida profissional e pessoal.

Quero agradecer ao professores, aos coordenadores e todos os funcionários que possibilitaram este espaço rico de aprendizagem. Muito obrigada a todos. Fatima Menezes,
mãe de Ana Beatriz Menezes

Pea - UnescoNos dias 17 a 20 de outubro, o Friburgo participou do 13º Encontro Nacional das Escolas Associadas à Unesco (PEA), em Ilhéus e Jequié, na Bahia.
No encontro aconteceram palestras temáticas que ressaltaram aspectos educacionais relevantes com ênfase numa maior conscientização, conhecimento e valorização da Terra como fonte vital e definitiva para as nossas necessidades e o cuidado que devemos ter com o nosso planeta, a nossa casa. Além disso, foi possível conhecer o trabalho das escolas associadas de Jequié, realizar trocas informais com profissionais de vários estados participantes e visitar comunidades com trabalhos de importância para a inclusão social, cultural, educacional.
É importante ressaltar que dez temas abrangentes foram selecionados para 2008 e os mesmos merecerão atenção especial das escolas associadas:

1- Água Subterrânea
2- Desastres Naturais
3- Terra e Saúde
4- Clima
5- Recursos naturais e Energia
6- Megacidades
7- Núcleo e Crosta Terrestre
8- Oceanos
9- Solos
10- Terra e Vida

O planejamento para o próximo ano deverá contemplar projetos que envolvam os temas selecionados. Toda escola Associada encaminha os projetos para a coordenação regional/nacional do Pea – Unesco que, por sua vez encaminha para a central em Paris, até inicio de março.
Um relatório dos resultados dos projetos deve ser encaminhado até final de novembro.

 

Outubro 2014
S T Q Q S S D
« Jul    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos